IP Casa de Oração - Rua Moreira Neto, 283 - Guaianases - São Paulo

sábado, fevereiro 05, 2011

Guaianases - História de um ilustre ex-morador do Bairro

Publicado em O Estado de S. Paulo
[Caderno Metrópole],
2ª feira, 15 de fevereiro de 2010, p. C10.

O último bocado de içá

J.S. Martins (2009)





Naquele 1948 em que fui matriculado no Grupo Escolar Pedro Taques, Guaianases era um povoado ao lado da estação ferroviária, as ruas iluminadas à noite por lampiões de querosene. No largo da estação terminava a estrada de terra que vinha da Fazenda Santa Etelvina. Era o meu caminho, 16 quilômetros batidos a pé, entre a ida e a volta, entre o casebre da roça e a sala de aula lotada, 3 alunos por carteira.
Éramos um bando de meninos e meninas que moravam para os mesmos lados. De pé no chão, nas manhãs de inverno os pés doíam muito. No caminho da roça, já no sol quente do meio dia, íamos ficando pelos sítios e chácaras. Eu era o último. Chegava faminto em casa, para o invariável prato morno de arroz, feijão e repolho. Quando li Os Parceiros do Rio Bonito, de Antonio Candido, entendi perfeitamente a referência àquela insaciável fome de carne tão característica do mundo caipira. Era a fome que eu sentia. Meu padrasto, quando tinha essa fome, pegava a espingarda e saía para caçar. Voltava com um tatu, um filhote de veado, alguma ave. Sinal de que a coisa piorava foi no dia em que caçou um ouriço, bicho feio. Foi duro comer aquilo, a carne dura, escura e mal cheirosa. Mas fome é fome.
Um belo dia houve a revoada da içá, a fêmea da saúva, prenhe de ovos, que em minutos abre um buraco no chão e nele se afunda para estabelecer um novo formigueiro. Era preciso correr com a panela numa das mãos e um graveto na outra para separar-lhe o abdômen gorducho, antes que sumisse na terra. E correr de um lado para outro, para catar o maior número delas. Deram uma panelada de içá torrada, que meu padrasto, um mameluco, caipira de verdade, comeu com voracidade, com uma fome que eu nunca vira, fome ancestral, fome do índio que nele havia do tempo do deslocamento paulista na direção dos sertões de Minas. Ofereceu um pouco da iguaria a meu irmão e a mim, esperando que não aceitássemos. Aquele foi o meu limite na carência alimentar.
Curioso: ao mesmo tempo em que ali se prezava aquela raridade culinária, havia uma guerra contra a saúva, que voraz, e com fome parecida, comia as plantas cultivadas com suado trabalho. De vez em quando era chamado o batalhão dos mata-formigas da Prefeitura de São Paulo, que chegava lá na roça para acabar com os formigueiros. Era um mundaréu de gente, munida de foles, na ponta dos quais havia um pequeno tambor de ferro em que punham brasas e sobre as brasas enxofre para colorir a fumaça e arsênico. Com o fole sopravam a fumaça amarela para dentro dos buracos. Alguns ficavam de olho para ver onde a fumaça ia sair. E tapavam cada saída. Saturavam os formigueiros com a fumaça letal. O requintado prato indígena estava condenado no que ainda não era a degradada periferia urbana de São Paulo.
* Do autor, sobre São Paulo: Subúrbio, Editora Hucitec/Editora da Unesp, São Paulo, 2002; A Sociabilidade do Homem Simples, Editora Contexto, São Paulo, 2008; A Aparição do Demônio na Fábrica, Editora 34, São Paulo, 2008; "A peleja da vida cotidiana em nosso imaginário onírico", in José de Souza Martins (org.), (Des)figurações - A vida cotidiana no imaginário onírico da metrópole, Editora Hucitec, São Paulo, 1996; “O decoro nos ritos de interação na área metropolitana de São Paulo”, in José de Souza Martins (org.), Vergonha e Decoro na Vida Cotidiana da Metrópole, Editora Hucitec, São Paulo, 1999; “O migrante brasileiro na São Paulo estrangeira”, in Paula Porta (org.), História da Cidade de São Paulo, 3 volumes (Volume 3: A cidade na primeira metade do século XX), Paz e Terra, São Paulo, 2004, p. 153-213; “O nascimento da vida cotidiana paulistana”, in Rubens Fernandes Junior (ed.), Aurélio Becherini, Cosac Naify, São Paulo, 2009, p. 43-83; A Escravidão em São Caetano (1598-1871), Coedição da Associação Cultural Recreativa e Esportiva Luís Gama, do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Caetano do Sul e do CEDI - Centro Ecumênico de Documentação e Informação, São Caetano do Sul (SP), 1988; A Escravidão em São Bernardo, na Colônia e no Império, Coedição da Pastoral do Negro - Quilombo Regional do ABC e do CEDI - Centro Ecumênico de Documentação e Informação, São Bernardo do Campo (SP), 1988; História e Arte no Cemitério da Consolação, Secretaria da Cultura/Prefeitura de São Paulo, São Paulo, 2008; “1924, o silêncio”, in Mais! (Folha de S. Paulo), 11 de julho de 2004, p. 4-6.


Eu:
Acredite que até hoje Guaianases tem um batalhão de formigas?
Lembro-me qu quando meu paivô era vivo, eu menina nova, íamos com fornicida picapau andando pela Pedro Batista, Santa Cruz, sei lá mais quais ruas atrás do ninho das formigas.Às vezes a gente ía para na Vila Buenos Aires.
As formigas adoravam destruir as plantações de milho e feijão de cerca que o paivô plantava.
Existe uma crendice popular que diz que quando formiga invade a casa é por que vai haver mudança.
Em alguns lugares de Guaianases pode até haver a tal mudança, mais serãoa s formigas qu e um dia levarão as casas nas costas.
ELisabeth Lorena Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo sempre aqui.Aproveite que veio e visitou e faça uma blogueira feliz:Comente!


De acordo com a Justiça o autor do blog não está livre de uma eventual responsabilidade civil ou mesmo criminal por causa de comentários deixados por leitores. Portanto faremos o controle dos comentários aqui expostos.

A Constituição Federal garante a livre manifestação do pensamento, mas veda expressamente o anonimato (art.5º, IV), por isso comentários anônimos não serão mais permitidos!
Sem contar que comentários que difamem o autor, o Blog ou o personagem descrito na matéria serão proíbidos!

Agregadores

Medite!

Algumas Canções Cristãs - Homens

Ferramentas para Blog

Dessander, o amigo

Loading...

Outras Postagens

Gióa Júnior

Aproveita e leia mais sobre Miriam Makeba

MIRIAM MAKEBA - UMA HOMENAGEM PÓSTUMA
Gostaria de fazer aqui uma homenagem a uma das mulheres que mais admirei nesta vida - Miriam Makeba. Desde criança me deleitava com suas músicas, elas nunca tocaram meu corpo, sempre tocaram minha alma.
hmais aqui
http://www.amigosdosabor.blogspot.com/